31 março 2009

Reportagem 04

Suécia retira sadomasoquismo da lista de doenças mentais


O governo sueco desclassificou há alguns dias como transtornos mentais alguns comportamentos sexuais antes considerados “desviantes”.

As autoridades consideraram que o sadomasoquismo, o fetichismo e o travestismo são preferências sexuais como outras quaisquer, e que mantê-los na lista de doenças era uma forma de discriminar e estigmatizar seus praticantes.

O país é o primeiro a atender às reivindicações do Revise F65, um movimento internacional que pede a retirada dessas três práticas do Catálogo Internacional de Doenças - CID. O CID é mantido pela Organização Mundial de Saúde e revisado periodicamente, e o Revise F65 luta especificamente contra os itens F65.0, F65.1, F65.5 e F65.6 do catálogo.

Com a adesão da Suécia, é provável que aconteça com o sadomasoquismo e demais fetiches o que aconteceu com a homossexualidade há algumas décadas atrás: o entendimento de que são apenas estilos de vida diferentes do habitual, que podem ser praticados de forma saudável, por pessoas perfeitamente integradas à sociedade.

O tema veio à baila na época em que a ONU estava fazendo inspeções no Iraque para verificar a existência de armas de destruição em massa. Um dos inspetores era integrante de um conhecido clube sadomasoquista de Washington, e foi muito criticado por setores da opinião pública por isso. Ele chegou a pedir demissão do cargo, mas o chefe da equipe, Hans Blix (coincidentemente, sueco), negou-lhe a dispensa, alegando que era um técnico competente e que seus gostos pessoais não tinham relevância no caso.

Os praticantes do sadomasoquismo garantem que a prática é saudável e segura. Afinal, é apenas um teatro, onde não há violência real ou coerção, e onde toda “submissão” é voluntária. Diz-se até que, na verdade, é o escravo que tem o controle da situação, porque toda vez em que achar que o mestre está indo longe demais, basta pronunciar a “senha de segurança” (safe word) que seu dominador é obrigado a interromper imediatamente o que estiver fazendo.



Para os interessados no assunto, eu indico o excelente filme alemão Verfolgt (Castigue-me), de 2006, que mostra uma relação sadomasoquista entre um jovem delinqüente e sua monitora de liberdade condicional, uma mulher de meia idade que tinha uma vida tranqüila, até que o jovem lhe pede que exerça sua autoridade de forma muito pouco convencional.

A carga emocional da relação entre os dois (onde não há sexo propriamente dito) é enorme, e transforma profundamente as suas vidas. É um filme brilhante, com uma fotografia espetacular em preto e branco, e que deve ser visto de mente aberta. É claro que não será lançado no Brasil.

Fonte: http://marcuspessoa.net/

30 março 2009

Alanis Morissette - Offer


video

Amanda Marshall - Belo Adeus


É como o mais incrível por do sol
Que você já viu
Nunca tem outro idêntico
Cai num mar eterno
Como o final de um filme que te faz chorar
Você fica triste quando acaba
Mas você fica contente que você teve aquele momento
Que te mexeu por dentro

Belo adeus
Baby, adeus

Eu curti o passeio
Nós realmente tivemos a nossa vez
É uma sensação estranha
Um belo adeus

Parada aqui vendo você sair de carro
Nós fomos tão maduros com isso tudo
Mas como vai parecer na luz do dia?
Eu já sinto sua falta, mas não dê meia volta
É engraçado como você sabe exatamente quando não vai dar certo
E como o esquecer pode fazer todos os mais belos sons

Belo adeus
Baby, adeus
Eu curti o passeio
Nós realmente tivemos a nossa vez
É uma sensação estranha
Um belo adeus

É tão irônico, é tão confuso
Fazer a coisa certa e estar perdendo
Eu sempre estou presa com a escolha
A vida, a vida não é assim?

Hey, yeah
Hey, yeah

Belo adeus
Baby, adeus

Eu curti o passeio
Nós realmente tivemos a nossa vez
É uma sensação estranha
Um belo adeus

Adeus
É

na na na na
na na na na
na na na na
na na adeus

na na na na
na na na na
na na na na
na na adeus

29 março 2009

Não Deixe o Amor Passar

Quando encontrar alguém e esse alguém fizer seu coração parar de funcionar por alguns segundos, preste atenção: pode ser a pessoa mais importante da sua vida.

Se os olhares se cruzarem e, neste momento, houver o mesmo brilho intenso entre eles, fique alerta: pode ser a pessoa que você está esperando desde o dia em que nasceu.

Se o toque dos lábios for intenso, se o beijo for apaixonante, e os olhos se encherem d’água neste momento, perceba: existe algo mágico entre vocês.

Se o primeiro e o último pensamento do seu dia for essa pessoa, se a vontade de ficar juntos chegar a apertar o coração, agradeça: Deus te mandou um presente: O Amor.

Por isso, preste atenção nos sinais - não deixe que as loucuras do dia-a-dia o deixem cego para a melhor coisa da vida: O AMOR.

(Carlos Drumond de Andrade)

28 março 2009

Reportagem 03

Homens gordinhos podem e devem ser elegantes. Descubra como.
O esporte não é mais uma rotina em sua vida? O trabalho e o stress te consomem? A cervejinha no final do dia é lei? Costela e feijoada são seus pratos preferidos?

Bem, você não está sozinho. Milhares de homens adoram comer e beber para relaxar da rotina massacrante, mas preocupam-se com sua forma física. Sentem-se gordos e pesados e percebem-se desmotivados para sair, namorar ou dançar.

Se você se encontra nesta situação, aproveite esta coluna, que vai trazer sugestões para disfarçar seu peso. Agora, se você é daquele tipo gordinho que não está nem aí, aproveite para tomar partido de sua forma física e sentir-se lindo de morrer.













Reflita

Uma coisa é certa: as roupas não operarão milagres em você. Faça um balanço e pense se quer continuar a viver desta maneira, se você é feliz assim ou não.

Se considerar que não é feliz deste jeito, é bom tomar providências. Ginástica, dieta, caminhada, dança ou esportes podem fazer com que você relaxe e melhore sua forma física. Enquanto não se mexe para mudar isso, vamos mexer no seu guarda-roupa.
E se você decidiu que está bem assim, aproveite para vestir-se de maneira mais legante.

Homens gordinhos na parte superior do corpo

Se seu tórax é largo e você tem muita barriga, precisa suavizar a parte de cima do corpo e chamar atenção para a parte inferior.

Cores mais escuras, listras verticais, decotes em "V" e camisa aberta no pescoço são alguns dos truques fáceis para conseguir um bom resultado no equilíbrio das proporções do seu corpo.As camisas não devem ser muito justas e o paletó estruturado no ombro, para harmonizar o visual.

Use gravatas de cores mais luminosas, com listras diagonais e com um pouco de brilho, pois iluminam o rosto, chamando a atenção para ele. Não use malhas grossas (não devem ficar bem em você) e evite as barras caneladas e golas rulês.

Os casacos 3/4 e os "cabans" alongam a silhueta dos mais altos, mas se você for baixinho prefira as jaquetas mais quadradas, que podem ser de couro, jeans ou sarja. Escolha casacos mais estruturados e com tecidos mais rígidos. As mangas não devem ser muito largas, não ficam elegantes. Tome cuidado para não comprar calças afuniladas na barra. É melhor quando elas são mais retas.














Homens "fortes" na parte inferior

Para aqueles que são maiores na parte de baixo, o conselho geral é usar sempre paletó um pouco mais comprido ou camisa aberta por cima da calça, para balancear um pouco as formas.

As camisas pólo ficam legais e podem ser usadas para fora da calça, sem problemas. Os padrões quadriculados leves podem ser usados na parte de cima e combinados com cores lisas e mais escuras na parte de baixo.

Para as calças, procure modelos de corte reto e experimente com cuidado para que o quadril, o gancho e as coxas fiquem bem confortáveis.

Uma boa dica é você depois acertar a largura das pernas, a cintura e a barra numa costureira ou alfaiate.Leia também aqui as dicas gerais, para homens acima do peso com vários tipos de corpo.

Para quem quiser se aprofundar no assunto, recomendamos nossas fontes:

KALIL, Gloria. Chic: um guia básico de moda e estilo.Editora Senac.KELLY, Clinton e LONDON, Stacy. Esquadrão da Moda : um guia complete para descobrir o estilo ideal para o seu corpo. Editora Prestígio.BARROS, Fernando de . Manual da elegância. Editora Caras.

24 março 2009

Delírio


(Olavo Bilac)


Nua, mas para o amor não cabe o pejo
Na minha a sua boca eu comprimia.
E, em frêmitos carnais, ela dizia:
– Mais abaixo, meu bem, quero o teu beijo!

Na inconsciência bruta do meu desejo
Fremente, a minha boca obedecia,
E os seus seios, tão rígidos mordia,
Fazendo-a arrepiar em doce arpejo.

Em suspiros de gozos infinitos
Disse-me ela, ainda quase em grito:
– Mais abaixo, meu bem! – num frenesi.

No seu ventre pousei a minha boca,
– Mais abaixo, meu bem! – disse ela, louca

Moralistas, perdoai!
Obedeci...


23 março 2009

22 março 2009

Reportagem 02

Galisteu aparece em um ensaio fotográfico realizado pela revista "RG Vogue".

A loira é a capa da edição de setembro da revista. 4.9.2008 - 12h06 Adriane Galisteu é capa da RG Vogue de setembro.

"Ainda vou ser líder de audiência", afirma a apresentadora.

KARLA ROMERO
Em São Paulo

Em entrevista concedida para a publicação, Adriane Galisteu contou detalhes sobre a atual fase de sua carreira e seus planos futuros. “Vou lançar outro livro, dessa vez contando tudo o que levei para o divã em quatro anos de análise”. Na geladeira do SBT há alguns meses, Galisteu afirma: "Ainda vou ser líder de audiência". O contrato com a emissora vai até 30 de setembro.
Ainda, a linda, a loira falou sobre sua vida amorosa. "Estou com 35 anos, não dá para perder tempo com uma relação que não vai agregar. Não perco tempo mesmo. Geralmente sou eu que acabo, mas não levo isso em consideração. Acho até mais fácil que terminem comigo, prefiro mil vezes que tomem a decisão no meu lugar".

Sobre o suposto romance com a cantora Ana Carolina, a loira explica: "Se me apaixonar por outra mulher, se tiver que me relacionar com uma, vai ser para valer. Mas não sou gay, tá?".
A apresentadora completa: "Me pego tomando atitudes totalmente masculinas, mas me controlo para ser mulher e deixar que os meus namorados tomem a frente". Em entrevista concedida para a publicação, Adriane Galisteu contou detalhes sobre a atual fase de sua carreira e seus planos futuros.
“Vou lançar outro livro, dessa vez contando tudo o que levei para o divã em quatro anos de análise”. Na geladeira do SBT há alguns meses, Galisteu afirma: "Ainda vou ser líder de audiência". O contrato com a emissora vai até 30 de setembro.










18 março 2009

A Elegância do Comportamento


Existe uma coisa difícil de ser ensinada e que, talvez por isso, esteja cada vez mais rara: a elegância do comportamento. É um dom que vai muito além do uso correto dos talheres e que abrange bem mais do que dizer um simples obrigado diante de uma gentileza.

É a elegância que nos acompanha da primeira hora da manhã até a hora de dormir e que se manifesta nas situações mais prosaicas, quando não há festa alguma nem fotógrafos por perto. É uma elegância desobrigada.

É possível detectá-la nas pessoas que elogiam mais do que criticam.

Nas pessoas que escutam mais do que falam. E quando falam, passam longe da fofoca, das pequenas maldades ampliadas no boca a boca.

É possível detectá-la nas pessoas que não usam um tom superior de voz ao se dirigir a frentistas. Nas pessoas que evitam assuntos constrangedores porque não sentem prazer em humilhar os outros. É possível detectá-la em pessoas pontuais.

Elegante é quem demonstra interesse por assuntos que desconhece, é quem presenteia fora das datas festivas, é quem cumpre o que promete e, ao receber uma ligação, não recomenda à secretária que pergunte antes quem está falando e só depois manda dizer se está ou não está.

Oferecer flores é sempre elegante. É elegante não ficar espaçoso demais. É elegante não mudar seu estilo apenas para se adaptar ao de outro.

É muito elegante não falar de dinheiro em bate-papos informais. É elegante retribuir carinho e solidariedade. Sobrenome, jóias e nariz empinado não substituem a elegância do gesto.

Não há livro que ensine alguém a ter uma visão generosa do mundo, a estar nele de uma forma não arrogante.

Pode-se tentar capturar esta delicadeza natural através da observação, mas tentar imitá-la é improdutivo.

A saída é desenvolver em si mesmo a arte de conviver, que independe de status social: é só pedir licencinha para o nosso lado brucutu, que acha que com amigo não tem que ter estas frescuras. Se os amigos não merecem uma certa cordialidade, os inimigos é que não irão desfrutá-la. Educação enferruja por falta de uso. E, detalhe: não é frescura.

(Martha Medeiros)

17 março 2009

Mistérios


Desvendaremos cada vez que nos amarmos
O que poderemos fazer juntos!
Mistérios!
Coisas que nos deixarão envergonhados
Quando terminarmos
E então...
Para esconder o rubor do nosso rosto
Abraçar-nos-emos
E emocionados de novo
Recomeçaremos!


(adaptação da poesia de Cassandra Rios)


15 março 2009

Segredos


Frejat - Segredos

by Frejat

Eu procuro um amor que ainda não encontrei
Diferente de todos que amei
Nos seus olhos quero descobrir uma razão para viver
E as feridas dessa vida eu quero esquecer
Pode ser que eu a encontre numa fila de cinema,
Numa esquina
Ou numa mesa de bar.

Procuro um amor que seja bom pra mim
Vou procurar, eu vou até o fim
E eu vou tratá-la bem
Pra que ela não tenha medo
Quando começar a conhecer os meus segredos

Eu procuro um amor, uma razão para viver
E as feridas dessa vida eu quero esquecer
Pode ser que eu gagueje sem saber o que falar
Mas eu disfarço e não saio sem ela de lá

Procuro um amor que seja bom pra mim
Vou procurar eu vou até o fim
E eu vou trata-la bem
Pra que ela não tenha medo
Quando começar a conhecer os meus segredos

Procuro um amor
Que seja bom pra mim
Vou procurar, eu vou até o fim.

Eu procuro um amor
Que seja bom pra mim
Vou procurar, eu vou até o fim.

Reportagem 01



Só um tapinha não dói?
Uma judoca, uma fetichista e uma ex-bbb se encontram para discutir até que ponto gostam de levar umas palmadas. Por Mariliz Pereira Jorge. Fotos Cris Bierrenbach
Natália, Dani e Morgana:com intimidade tudo fica mais fácil.

Uma declaração em cadeia nacional e pronto, um velho assunto, quase sempre tratado entre quatro paredes, vem à tona. Natália Casassola, 22 anos, modelo e ex-Big Brother, falou para quem quisesse ouvir: 'Na hora H, entre um tapinha e um carinho, prefiro o tapinha'. Levar ou dar umas palmadas é uma forma de realizar uma fantasia, dizem os especialistas. 'Todo desejo é natural desde que ele não tenha um caráter obsessivo.

Cada pessoa tem uma vontade específica, que pode estar na fantasia de submissão ou de dominação, até na própria sensação de prazer que o tapinha possa provocar em cada um', diz a educadora sexual Maria Helena Vilela, diretora do Instituto Kaplan, de São Paulo.

Mas nem de longe esse tipo de comportamento pode se enquadrar na categoria de masoquismo, que ganhou esse nome por causa dos romances escritos pelo austríaco Leopold von Sacher-Masoch ainda no século 19, em que manifestava um erotismo dominado pela volúpia do sofrimento.

'Tapinhas não fazem parte do repertório do sexo baunilha', afirma Morgana Marone, 30, fetichista. Para quem não sabe, sexo baunilha é o tradicional papai-e-mamãe. Levando ao pé da letra a máxima de que 'quando um não quer, dois não brigam', Natália, Morgana e a lutadora de judô Danielli Yuri, 24, que faz parte da delegação brasileira que vai à China, bateram (opa!) um papo extrovertido sobre o assunto.

Um tapinha não dói, mesmo? Natália - Carinho a gente pede para o pai e para a mãe. Com o homem tem de ter um tapinha, uma puxada de cabelo. Danielli - Também gosto. Na cama o carinho tem de ser diferente. Morgana - Eu não gosto de ser subjugada. Nem daquela coisa de o homem te mandar calar a boca. Já aconteceu uma vez de um homem me dar um tapa e eu virei a mão nele. Não consigo me controlar.

'Nunca usei um golpe de judô, mas é uma boa idéia'
Danielli Yuri, 24 anos, judoca
Vocês já pediram para levar uns tapas, uns puxões de cabelo? Danielli - Eu namorava fazia um ano, o sexo era bom, mas sentia falta de um pouco mais de firmeza. Pedi para ele me dar uns tapinhas. Ele fez, mas estranhou. Depois queria saber de onde eu tinha tirado aquela idéia. Achou que eu tivesse saído com outra pessoa. Natália - Sugeri que a gente fizesse alguma coisa diferente na cama. Ele cheio de carinho, achando que estava agradando, e eu querendo que ele me pegasse de jeito. Morgana - No meu caso é mais fácil porque tudo é conversado e combinado antes. O homem sabe que é ele quem vai ser subjugado.

Precisa de intimidade ou dá para fazer logo na primeira vez? Morgana - As pessoas precisam se conhecer e saber o que a outra quer. Eu já dei alguns sustos porque os homens não esperam que uma mulher queira mandar na situação, principalmente do jeito que eu quero. Danielli - É um passinho de cada vez. Não dá para saber como o outro vai reagir. Ele pode ou se assustar ou se empolgar demais. Natália - Com intimidade tudo fica mais fácil.

Algum homem já pediu para levar uns tapas? Natália - Geralmente eles não pedem, mas acho que gostam. Danielli - Nunca pediram, mas também gostam da mulher que tem mais pegada. Você puxa o cabelo na parte da nuca com força, aperta o corpo dele no meio das pernas. Eles adoram. Nunca usei nenhum golpe de judô, mas é uma boa idéia. Morgana - Eles adoram. Pode ser uma puxada de cabelo, uma mordiscada nos mamilos. Mas isso é bem básico. Para mim é sexo convencional.

Vocês já ficaram com algumas marcas? Natália - Ih... muitas. Agora mesmo estou com algumas. Não há como não ficar. Mordida e tapa na bunda deixam lembranças. Danielli - Eu não me lembro de ter ficado, não. Gosto de uns tapinhas, mas tem de ter medida. Morgana - Acontece, mas faz parte do jogo. Existe até quem goste que fiquem as marcas.

' Mordida e tapa na bunda deixam lembranças'
Natália Casassola, 22 anos, ex-BBB.
E se o parceiro quiser usar alguns acessórios? Natália - Isso é fetiche de cada um. Comigo não rola. Esse negócio de amarrar, por exemplo, se fizer comigo eu mato. Me dá a maior agonia. Danielli - Apesar de gostar que o sexo seja firme, essa coisa de sadomasoquismo não me atrai nem um pouco. Morgana - Isso é essencial. É a diferença básica entre o sexo baunilha e o sadomasoquista. Os acessórios são mais importantes que a pessoa. São eles que excitam!

O sexo com carinho não tem mais vez, perdeu a graça? Morgana - Acho que não. A mulher não gosta é da monotonia, do comodismo. Um tapinha é só uma pimenta para deixar a relação mais movimentada. Natália - Também é ótimo, desde que o homem não pense só nele. Quem é que não gosta de carinho e de palavras de amor? Danielli - Não perdeu a graça, não. É assim que se começa. Se não souber fazer com carinho, o resto fica difícil.

Vocês acham que muita gente ainda pensa que a mulher que gosta de levar uns tapas é submissa? Natália - Ser submissa na cama é uma coisa, fora dela é outra. E muita gente tem essa opinião porque nunca experimentou. Danielli - Sim, mas sempre ouvi da minha mãe que na cama vale tudo e a mulher tem de se libertar. Sem isso não há casamento que dure. Morgana - Se essa é a fantasia da pessoa, qual é o problema?


Edição 233 - Set/08

14 março 2009

A única verdade


A sombra caminha ao meu lado e o vento passa! A sombra a gente vê, mas não sente. O vento a gente sente, mas não vê.
Procuras a imagem do Amor e eu insisto, que só em mim a encontrarás. Sou a única verdade que resta da fantasia dos teus sonhos!
(A.D.)